7 indicadores de desempenho para gestão de empresas contábeis

7 indicadores de desempenho para gestão de empresas contábeis

Você conhece as vantagens que um indicador de desempenho pode provocar na gestão de empresas contábeis?

A fim de atender cada vez melhor os clientes, a gestão de empresas contábeis pode fazer uso de algumas ferramentas de desempenho.

Dessa forma, o escritório contábil poderá sobressair entre seus concorrentes e conseguir agradar mais seus clientes, oferecendo-lhes exatamente aquilo que precisam.

Os indicadores de desempenho normalmente estão ligados à situação financeira, ao atendimento e aos recursos humanos.

E implantar aqueles que oferecem os resultados é uma forma de manter atenção ao desenvolvimento dos negócios, podendo tomar decisões mais rápidas e assertivas.

Agora você vai saber um pouco mais sobre os indicadores de desempenho que são muito úteis para a gestão de empresas contábeis. Olha só:

1.   EBITDA

Primeiro vamos falar do EBITDA, que é um indicador muito utilizado no mercado de ações. Ele possibilita a compra direta do resultado das empresas, mesmo em setores diferentes, podendo avaliar o lucro referente ao negócio com o desconto de qualquer lucro financeiro.

O termo EBITDA é a sigla para “Earning Before Interests, Taxes, Deprecitation and Amortization”. Quando traduzimos a expressão, podemos entender melhor o que significa: “Lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização”.

O cálculo do EBITDA é bastante simples. Basta utilizar a seguinte fórmula:

EBITDA = Lucro Operacional + Depreciações + Amortizações

O EBITDA é um indicador de desempenho que permite analisar não somente o resultado final, mas também o processo de geração de valor como um todo.

2.   Margem de contribuição

Já a margem de contribuição é um indicador que demonstra o quanto do lucro da empresa contábil contribui para que o escritório possa cobrir os custos e despesas fixas, ou seja, os custos de estrutura, gerando lucro.

O indicador também apresenta uma fórmula bastante simples:

Margem de contribuição = Faturamento – (Custos Variáveis + Despesas Variáveis)

Para a gestão de empresas contábeis, conhecer a margem de contribuição é importante, principalmente porque esse conhecimento permite a construção de um bom planejamento.

E com um planejamento organizado torna-se possível tomar decisões relacionadas a investimentos e expansão.

Quando essa margem não é boa o suficiente, o escritório pode estar faturando bastante, mas, ao mesmo tempo, pode estar tendo prejuízo.

3.   NPS – Net Promoter Score

O próximo indicador recebe o nome de NPS e está relacionado com a satisfação do cliente. Ele basicamente procura identificar o seu nível de aceitação dos serviços oferecidos pelo escritório.

O acompanhamento e a mensuração desse indicador são bastante simples, fazendo com que seja um dos mais usados.

O mais interessante dessa ferramenta é que o NPS pode ser consultado online, por telefone ou através de questionário impresso, basta fazer uma única pergunta ao cliente:

“Em uma escala de um a dez, sendo o um o pior valor, o quanto você indicaria nossa contabilidade para um amigo ou familiar? ”

Com base na resposta, é possível classificar os clientes entre os detratores, que tenham dado nota de 0 a 6; os neutros, que deram nota de 7 a 8; e os defensores da empresa, com notas de 9 a 10.

Implantar o NPS é uma excelente forma de avaliar a satisfação dos clientes, justamente porque ele oferece uma base melhor para que o escritório possa melhorar o atendimento e a qualidade dos serviços prestados.

4.   Churn Rate

Na gestão de empresas contábeis, o indicador de desempenho Churn Rate também está vinculado ao atendimento aos clientes, só que, diferente do último indicador, ele avalia a evasão de clientes do escritório.

O objetivo, nesse caso, é saber a quantidade de clientes que cancelaram contratos em um determinado período.

O Churn Rate é muito aplicado em empresas de telecomunicação, mas isso não impede que ele também seja utilizado por empresas de outros ramos de atividade, já que pode oferecer dados importantes sobre o atendimento.

O cálculo do Churn Rate pode ser feito com a seguinte fórmula:

Taxa de Churn Rate = número de contratos cancelados / número de clientes ativos no período x 100

E atenção, agora vai uma dica: caso a taxa se mostre muito elevada, é indicado que o escritório invista em programas de melhoria de atendimento ou em programas de fidelização.

5.   Payback

Sabe aquele projeto que você tem na cabeça, mas ainda não sabe como aplicar e muito menos se é possível colocá-lo em prática no momento?

Então, por meio de indicadores isso também pode ser avaliado.

O Payback é bastante utilizado para avaliar a viabilidade de novos projetos, procurando identificar o momento em que o lucro proveniente de um projeto se iguala ao investimento aplicado.

Ele pode ser aplicado para avaliar em quanto tempo um cliente começa a dar lucro para o escritório. Assim, se ele cancelar o contrato antes do tempo necessário, é preciso estabelecer um novo plano de ação.

A fórmula utilizada para o cálculo do Payback leva em consideração o investimento feito com a empresa e o retorno médio do fluxo de caixa, utilizando a seguinte fórmula:

Payback = Retorno Inicial / resultado médio do fluxo de caixa

 

O raciocínio é bem simples, vamos lá. Se o escritório investiu um valor de R$ 10 mil e tem um retorno médio de caixa de R$ 500, no final o investimento seria pago em 20 meses, tempo mínimo para oferecer resultado positivo.

6.   Retorno sobre investimento

O retorno sobre investimento é conhecido pela sigla ROI, usado pela área financeira na gestão de empresas contábeis para avaliar o progresso de um investimento.

Assim, ela torna-se muito útil para saber se o valor investido está atingindo os objetivos estabelecidos.

O cálculo do ROI leva em consideração dois fatores básicos: o investimento feito inicialmente pela empresa e os resultados obtidos, podendo ser calculado com a seguinte fórmula:

ROI = (retorno obtido – investimento feito) / investimento feito x 100

Se o retorno for positivo, então sabe-se que é possível continuar ou até mesmo aumentar as aplicações. Se for negativo, é necessário avaliar o que está acontecendo ou mesmo acabar com o projeto.

7.   LTV – Lifetime Value

Na gestão de empresas contábeis, o LTV é um indicador praticamente obrigatório.

O LTV é programado para medir o lucro líquido da vida útil de cada cliente, ou seja, quanto o cliente gasta com os produtos ou serviços durante o tempo de relacionamento com o escritório.

O cálculo do LTV é feito através do valor médio de compras realizadas, a quantidade média de compras e o tempo de relacionamento, sendo feito com a seguinte fórmula:

LTV = valor médio das compras x quantidade média de compras x tempo de relacionamento

Esses indicadores de desempenho podem ser aplicados na gestão de empresas contábeis.

Ele é muito utilizado para acompanhar de forma constante tudo o que está acontecendo, o que facilita bastante no momento de identificar o que está dando certo ou não no dia a dia do escritório.

Com base nas informações obtidas, o gestor poderá estabelecer novas estratégias para otimizar os resultados, ao mesmo tempo em que desejar determinar os objetivos e as metas para a empresa.

Agora que você conheceu 7 indicadores de desempenho para gestão de empresas contábeis, já pode se preparar para colocar tudo isso em prática.

Essas e outras informações sobre contabilidade podem ser obtidas também por meio da nossa newsletter. Faça sua inscrição e fique mantenha-se atualizado sobre todas as novidades sobre esse assunto.

Equipe Nibo

Somos um time de especialistas focados em tornar a sua gestão financeira mais eficiente. Deixe um comentário ou ligue para nós, estamos sempre a postos para ajudá-lo!

Gestão organizacional: 4 passos para lidar com a resistência durante o processo de mudança e ter mais eficácia Planejamento tributário: o que é, como fazer e por que é importante para a sua empresa

Deixe o seu comentário

    Comente com o seu e-mail Comente com o Facebook